Histórico da Implantação


Com o crescimento considerável da população de Muriaé, e, consequentemente, o aumento do volume de lixo recolhido na cidade diariamente, o DEMSUR buscou uma solução para impedir o aumento do volume de resíduos depositado no Aterro. Assim foi adotada uma medida que tratasse dos resíduos antes de serem despejados no solo e a solução encontrada foi a implantação da coleta seletiva.

Em 2008, a FEAM, por meio do Programa Minas sem Lixões realizou a fiscalização no local onde o lixo recolhido na cidade de Muriaé era destinado (enterrado) e solicitou ao DEMSUR várias mudanças para atendimento às legislações vigentes, tanto do COPAM (Deliberação Normativa nº 52/2001), quanto da FEAM. O município de Muriaé, juntamente com outros 14 municípios, foi convidado a implantar a coleta seletiva até o ano de 2009, sob a orientação de técnicos da FIP – Fundação Israel Pinheiro.

O trabalho foi iniciado com a capacitação de servidores do DEMSUR, realizado na SUPRAM, em Belo Horizonte, para apresentação das noções básicas de implantação da coleta seletiva e formação do Grupo Gestor.  Concluída a capacitação, foi assinado, no Centro Mineiro de Referência em Resíduos, o Termo de Adesão nº 022/08, documento firmado entre a FIP e o município de Muriaé, com o objetivo de descrever toda a proposta de trabalho a ser realizada, bem como estabelecer responsabilidades à Fundação e ao município de Muriaé.


Comércio de materiais recicláveis – Bairro João XXIII

A partir de Janeiro de 2009, a FEAM realizou visitas técnicas e apresentou uma metodologia da proposta de apoio à implantação de coleta seletiva, contemplando o cumprimento das seguintes etapas:

– Realização de diagnóstico da situação atual;

– Elaboração de relatório de consolidação do diagnóstico da situação e;

– Análise da consolidação do diagnóstico e apresentação de proposições.


Diagnóstico

 

No diagnóstico, considerado como a primeira etapa do trabalho, foram levantadas informações do município de Muriaé tais como população, normas, legislações ambientais, etc, sendo definido, pela equipe gestora do DEMSUR, o bairro a ser implantada a coleta seletiva. O aspecto primordial para a escolha do bairro João XXIII foi a estrutura nele existente como a presença de escola (necessária para a educação ambiental), igrejas (as quais realizam oficinas com materiais recicláveis), ONG’s de meio ambiente, comércio de materiais recicláveis, presença de catadores de materiais recicláveis que realizam o trabalho de coleta porta a porta. No Bairro, os materiais coletados pelos catadores (papel, plástico, metal e vidro) são vendidos a uma empresa de sucata instalada dentro do próprio bairro. 
Além das informações, foram levantadas algumas necessidades de melhorias, tais como a reforma, otimização, higienização e organização da Usina de Triagem.

 

Consolidação do diagnóstico

 

Realizado o diagnóstico, foram consolidadas informações apresentando os aspectos considerados mais relevantes pela equipe da FIP para a implantação da Coleta Seletiva no município de Muriaé – MG, tais como:

– O lixo urbano chegava misturado (rejeito mais recicláveis) na Usina de Triagem, dificultando o trabalho da ASMAM;

– Foram identificadas, no bairro, indústrias com potencial para formação de parcerias.

– Possibilidade do DEMSUR em adquirir um caminhão exclusivo para coleta seletiva além de possuir toda a setorização do bairro para prévia consulta necessária ao acompanhamento da coleta seletiva;

– O município dispõe de empresas que compram os materiais recicláveis triados tanto da associação quanto pelos catadores informais.

 

Análise da consolidação do diagnóstico e apresentação de proposições

Levantadas as informações, foram apresentadas proposições pela FIP que puderam servir como referência ou ponto de partida para outras proposições a serem construídas, preferencialmente, dentro de uma gestão participativa prevista no programa de coleta seletiva. Para a manutenção das ações, de forma que fosse garantido o cumprimento do principal objetivo do Projeto, foi necessário, dentre outras:

– Atender às legislações vigentes sobre resíduos de serviço de saúde;

– Disponibilizar Equipamentos de Proteção Individual;

– Realizar obras de benfeitorias na Unidade de Triagem;

– Divulgar a existência da ASMAM aos munícipes de Muriaé;

– Disponibilizar caminhão exclusivo para a Coleta Seletiva com identificação na parte externa;

– Fornecer no primeiro mês de implantação da coleta seletiva sacos plásticos transparentes com o símbolo da coleta seletiva, bem como, folder explicativo;

– Adotar a separação dos resíduos em secos (recicláveis) e úmidos (rejeitos mais orgânicos);

– Estabelecer parceria com as escolas municipais e estaduais para mobilização social;

– Estabelecer parcerias com as empresas locais para que adotem um catador e doem o seu material diretamente a ele;

– Traçar rotas e horários exclusivos para o caminhão da coleta seletiva;

– Promover campanhas educativas e informativas junto às secretarias (educação, saúde, etc.) envolvidas para a mobilização social e educação ambiental;

– Divulgar junto às secretarias municipais a implantação do Projeto Piloto da Coleta Seletiva do bairro João XXIII, visando futuramente a implantação da coleta seletiva em todo o município.

 

Ações que foram realizadas para a implantação

 

 

Planejamento

 

Após analisadas as proposições apresentadas pela FIP à Equipe Gestora, o DEMSUR iniciou os trabalhos realizando um planejamento com metas a curto, médio e longo prazo, onde todo o município foi mapeado, dividindo-o em 11 regiões, conforme mapa abaixo, com o objetivo de implantar a coleta seletiva até atingir 100% da população. Para isso foi feito um cronograma de implantação da coleta seletiva.



Cronograma de implantação da Coleta Seletiva em todo o município:

Após o planejamento, o Programa de Coleta Seletiva foi lançado, em abril de 2009, na Escola Municipal Gilberto Tanus Braz, no bairro João XXIII, com a frase “Secos e Molhados – é muito fácil separar”. Os alunos da escola participaram do programa utilizando o mascote da ONG AMA, Amigos do Meio Ambiente, como o mascote também da Coleta Seletiva.

Em agosto de 2009 a escola iniciou as atividades com 60 alunos os quais foram os multiplicadores do programa. Os alunos assistiram a uma palestra informativa, ministrada por servidores do DEMSUR, cujo objetivo foi capacitá-los, já que eles levariam informações diretamente nas residências, nos comércios e nas empresas do bairro João XXIII.

Lançamento

O lançamento do Programa de Coleta Seletiva, no bairro João XXIII, foi em setembro de 2009. Um veículo foi disponibilizado pelo DEMSUR, identificado com adesivo do Programa, e com música informativa, e que, juntamente com alunos, direção, agentes de saúde e servidores do DEMSUR, anunciaram o início do trabalho.



Lançamento do Programa de Coleta Seletiva pela Escola

Mobilização Social

 

 Para realizar a mobilização social, a escola contou com a colaboração de agentes de saúde do Posto de Saúde do bairro, os quais, juntamente com os alunos, realizaram um trabalho de conscientização a todos os moradores do bairro. Na ocasião todas as casas foram visitadas e foram entregues sacolas plásticas específicas do Programa, adesivos, imas de geladeira e panfletos informativos, com o objetivo de orientar os moradores em como separar o lixo seco do lixo úmido. 



Visita porta a porta realizada por agentes de saúde e alunos

Destinação do material recolhido pela Coleta Seletiva

O material da coleta seletiva é enviado diretamente para a Usina de Triagem onde é feita a separação dos recicláveis e a preparação para sua comercialização.

Benfeitorias físicas

Com relação à estrutura física foram atendidas várias solicitações da FEAM dentre elas: a reforma da esteira, o fornecimento de uniformes e EPI’s aos funcionários da ASMAM, bem como foram realizadas obras de benfeitorias no galpão da Usina de Triagem, sendo o espaço todo organizado para melhor acondicionamento dos materiais separados. 



Usina de Triagem antes da reforma



Usina de Triagem após reforma

Resultado e conclusões

Assim, de acordo com as proposições apresentadas pela FEAM para iniciar o trabalho de Coleta Seletiva em Muriaé, 75% delas foram atendidas. Os EPI’s e uniformes para membros da ASMAM foram fornecidos, a solicitação de aquisição de 01 caminhão personalizado foi atendida, obras de benfeitorias na Usina de Triagem foram executadas, dentre outras.

 

Sob o aspecto econômico, a coleta seletiva e a reciclagem do lixo doméstico apresentam, normalmente, um custo mais elevado do que os métodos convencionais. Mas é importante notar que o objetivo da coleta seletiva não é gerar recursos, mas reduzir o volume de lixo, gerando ganhos ambientais. É um investimento no meio ambiente e na qualidade de vida.

 

Sob a visão política, a coleta seletiva, além de contribuir positivamente para a imagem do governo e da cidade, ela exige um exercício de cidadania, no qual os cidadãos assumem um papel ativo em relação à administração da cidade. Além das possibilidades de aproximação entre o poder público e a população, a coleta seletiva pode estimular a organização da sociedade civil.

 

São grandes os desafios de ordem técnica, organizacional e econômica para a consolidação do programa de coleta seletiva, mas que não é impossível de superá-los se houver uma participação efetiva da população.

 

Se você deseja implantar a coleta seletiva na sua escola, condomínio, empresa ou comunidade, procure o DEMSUR e busque maiores informações. Precisamos de parceiros,  colaboradores e disseminadores de um trabalho que é de interesse de todos.

 

 

 

Comentários

comentarios

Leitor de Página Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support